‘Pedi aos autores de ‘The handmaid’s tale’ algo que eu lesse e pensasse: ‘Car***!!’, diz Elisabeth Moss

A vida de Elisabeth Moss é sofrida, em diversas épocas. Desde que encarnou a a subestimada Peggy Olson em “Mad Men” (na década de 1960) até sua Offred na distopia “The Handmaid’s Tale” , em um futuro próximo,  passando pela aparição em “Us” de Jordan Peele, ela parece estar no bom caminho para se tornar a santa padoreira dos fracos e oprimidos.

A vibe é consistente mesmo em papéis menos conhecidos, principalmente as parcerias da atriz americana de 36 anos com o escritor e diretor Alex Ross Perry. Ele a escalou em três filmes, um deles “Rainha do mundo” (2015), em que imagens cruéis em close retratam o desenlace da personagem.

“Her smell”, sexto longa-metragem do diretor, em cartaz nos EUA, mais uma vez encontra Elisabeth – agora como Becky Something, uma estrela do rock dos anos 1990, no mundo do grunge e das riot grrrls – quebrando tudo, inclusive a si mesma, com foco na maquiagem borrada. O papel foi criado especialmente para ela.

– Algumas pessoas nascem para sofrer, e outras, para fingir que sofrem – diz Perry.

Em cinco partes, a maioria deles uma única cena, “Her smell” mostra a saga de uma compositora genial, louco, que consome drogas, se autossabota e estraga a banda. Por acaso, ela é uma mulher.

Com uma fotografia zonza, que mostra a claustrofobia e o suor dos bastidores de uma casa de shows de rock, assim como o redemoinho do vício, o filme foi inspirado por artistascomo Guns N’ Roses, Jawbreaker, Nirvana, Bikini Kill e L7. A essa lista, Elisabeth adicionou Amy Winehouse, Marilyn Monroe e e outras. Tudo isso além de Courtney Love, cujo visual, estilo e palhaçadas no papel de cantora do Hole se espelham no caos de Becky e sua banda, Something She.

A atriz, que estudou guitarra e piano para o papel falou por telefone sobre não ter vivido a onda punk, sua queda por papéis sombrios e o lugar de Courtney no universo de “Her smell”. Veja alguns trechos da conversa.

O que você lembra da época do grunge e das riot grrrls?

Eu fazia balé desde os 5 anos e, naquela época, tinha 11 ou 12. Eu não embarquei em nada daquilo. Lembro-me de ouvir os mais populares, como Nirvana e coisas assim, no rádio. Mas tudo aquilo parecia feito para pessoas mais velhas e definitivamente mais legais que eu. Acho que não entendi direito. Eu era uma criança muito feliz, sabe?. Então, quando fui me aproximar desse universo, fui sincera com Alex, tipo: “Esse é um universo que eu não entendo muito bem”.

Os envolvidos com o filme minimizam a conexão com Courtney Love, mas há muitas referências que apontam para ela. Você a contactou?

Ela é indiscutivelmente a figura feminina mais famosa da época, e também é loura, né? Então visualmente você tem a conexão. E obviamente há algumas histórias bem documentadas e que fazem sentido no que diz respeito a Becky (risos). Mas eu disse a Alex: “Queremos fazer a história de Courtney Love? Vamos falar com ela para o filme, então”. Mas não era o que queríamos. É só por isso que minimizamos a conexão, porque não era a nossa intenção. Ela não fez parte do filme. Mas eu usei Kurt Cobain tanto quanto Courtney Love.

Você ouviu alguma reação de Courtney?

Nenhuma! Mas estive com ela algumas vezes, e ela sempre foi superlegal comigo.

Até com Kitty, seu personagem em “Nós”, e em “Top of the lake”, você se tornou um poço de dor e sofrimento. O que ainda a atrai para esses papéis brutais?

Eu os acho mais interessantes e desafiadores. Sou uma pessoa feliz. Não há nada superinteressante ou dramático em ver alguém que está bem e lava roupa, como eu estou fazendo hoje. Mas existe uma piada interna entre as pessoas com as quais eu colaboro: o que elas podem escrever que vai me fazer dizer: “Noooossa, isso é desafiador”, ou “Meu Deus, que sinistro!”? Eu disse aos autores de “Handmaid’s” no início da temporada: “Sua tarefa é escrever algo que eu vou ler e ficar assim: “Car***!!”

Você costuma equilibrar filmes de arte com alguns dos programas de mais sucesso e blockbusters. É divertido ter participado de algo como “Nós”, e ser apenas parte do ‘zeitgeist’?

É superdivertido. Foi uma experiência diferente para mim, porque eu nunca estive em um filme que as pessoas realmente foram ver (risos). Eu nunca participei de algo que tivesse a expectativa de ganhar dinheiro nas bilheterias. Essa é a verdade. Na segunda-feira, as pessoas todas vieram falarcomigo sobre o filme, porque todo mundo foi vê-lo no fim de semana. Sou muito grata a Jordan (P eele, diretor de “Nós” ) por ele ter me chamado para participar de algo histórico assim.

(Spoiler de “Nós”) Quando você viu o filme no cinema, como foi ver as pessoas reagindo ao seu assassinato?

Adorei, achei hilário. Quando filmamos, Jordan chamou aquela cena de “O massacre dos sete segundos”. Aquele negócio de rastejar no chão… A gente sabia que seria legal.

“Nós” e “Her smell” têm algo mais em comum: você tem momentos de humor, mesmo se os personagens que contracenam com você não se divirtam. Você fica confortável em papéis cômicos?

Eu nunca consigo! Ninguém nunca me pede para fazer isso. Eu acho que fiquei… — estigmatizada é uma palavra negativa, então não quero usá-la —, mas definitivamente tenho a fama de fazer papéis mais dramáticos. Então foi muito divertido fazer algo diferente. E essa garota de “Nós”… eu queria fazer um filme inteiro como ela. Muitas mulheres vieram a mim e disseram: “Uau, a sua loura básica é tão legal!”

Tradução: O Globo 

Texto Original NY Times

Comentários